Ramones

*  André Lubesi

A idéia de uma junção entre Blitzkrieg Bop e I Wanna Be Sedated não traduz literalmente o “palavra” RAMONES, mais fala muito sobre a banda que é um mito do Rock mundial.

Quero realmente destacar a palavra Rock como referencia aos Ramones, pois a contribuição dessa banda de Punk Rock para o mundo da musica em geral é realmente ROCK ‘N ROLL.

Em sua época de ouro a banda tramitava tranquilamente por todos os cenários musicais, suas musicas e shows agradavam “gregos e havaianos” com uma facilidade incrível.

Com certeza é difícil encontrar alguém que desconheça completamente essa banda, pode ser a pessoa mais desantenada do mundo, mais algum riffizinho já soou nos ouvidos desavisados uma hora ou outra, e digo mais, mesmo que esse “SER” tenha ficado perdido em uma ilha deserta por uns 30 anos… assim que escutar um hit RAMONICO, vai fazer a famosa batidinha com o pé no chão marcando o tempo da musica.

Essa maquina de musicas rápidas e diretas começou seu ataque em Março de 1974 com Joey, Johnny e Dee Dee tocaram juntos nos arredores de NY, em Abril do mesmo ano a banda se apresentaria pela primeira vez no local que se tornaria o maior reduto underground Nova-iorquino de todos os tempos, o famoso bar CBGB.

Poucas pessoas sabem, mas o primeiro registro do Punk Rock da historia foi o álbum RAMONES de 1976 (o que contraria a idéia do legitimo Punk Inglês), que não por acaso, nesse mesmo ano, contava com a presença de integrantes do SEX PISTOLS e THE CLASH, ambos em processo pré-banda, na platéia de memoráveis shows do quarteto nova-iorquino nos subúrbios de Londres.

No inicio, a banda tinha Dee Dee (Douglas Colvin) no contra baixo, Johnny (John Cummings) na guitarra e Joey (Jeffrey Hyman) na bateria. Havia dificuldade para o trio tocar e cantar suas musicas, devido a isso após alguns testes as baquetas passaram para Thomas Erdelyi que assumiu o pseudônimo de Tommy, liberando Joey para os vocais. E por falar em nome, o sobrenome “pseudôminico” (Ramones) surgiu para homenagear o produtor Phil Ramone, ligando o nome da banda ao sobrenome de seus integrantes.

A outra versão para o nome da banda é do tipo “universo paralelo”, diz que Paul McCartney registrava-se em hotéis com o nome de Paul Ramon e isso inspirou os RAMONES, claro que nenhum integrante da banda desmentiu o fato.

Particularmente acho que todo o tipo positivo de boato e mito ajuda a impulsionar a carreira de um artista, principalmente na década de 70 que foi onde as lendas sobre as grandes bandas surgiram.  Sem internet e sem limites para a imaginação que já vinha regada por alguns aditivos ilícitos, vários mistérios rondavam o universo do ROCK.

 

Além de Dee Dee Ramone, Joey Ramone, Johnny Ramone e Tommy Ramone outros Ramones passaram pela banda, entre eles; Elvis Ramone, Richie Ramone, C.J. Ramone e Mark Ramone. Mark não foi o primeiro baterista, mais se tornou o batera “cara da banda”, ele sempre teve a amalgama necessária para completar a pancadaria no estilo RAMONICO de fazer musica, tanto que entre idas e vindas de bateras ele foi chamado para reassumir as baquetas em uma hora crucial para a banda. Mark já no primeiro show deu toda segurança necessária para um novo GÁS ao Ramones, esse gás foi tão grande que mesmo com o fim da banda ele não parou de tocar os clássicos e ate hoje continua na ativa.

Como toda banda de rock que se prezem os RAMONES também tinham seus fantasmas particulares, desde um histórico de drogas pesadas ate frustrações da infância eram matéria prima para os conflitos internos que afetavam vez ou outra os integrantes da banda, porem por serem extremamente profissionais, a roupa suja acabava sendo lavada em casa.

A tensão acabou aumentando quando a gravadora chamou o produtor Phil Spector para produção do álbum End of Century. O cara levou Johny a loucura, exaurindo o guitarrista por horas de gravação de uma mesma melodia, tudo o que a banda estava acostumada a fazer em um dia de gravação acabava se estendendo por meses sem fim (… a briga estava feia) .

O conflito mais absurdo que na banda e que permaneceu totalmente sem solução, ocorreu em 1981 quando Johnny teria roubado a namorada de Joey. Os caras já não se bicavam muito antes do fato, porem nada foi dito abertamente sobre o caso mais nos bastidores o que rolava é que dessa época em diante os dois não fizeram a menor questão de demonstrar que havia qualquer amizade entre eles, ambos apenas se aturavam.

Certa vez Johnny disse que não sentiu nenhum remorso por não ligar para Joey no hospital em seus últimos dias de vida (2001). Só posso dizer que a maldição de Joey foi do tipo “Zé do Caixão”, pois Johnny morreu 3 anos depois de câncer de próstata (tem pior morte que essa para um cara que roubou sua namorada? ??? ai que dor!! rsss).

A banda teve 22 anos de existência e realizou 2,263 shows ao redor desse mundão de meu Deus, o Brasil foi presenteado por algumas vezes com essas apresentações sensacionais, uma das melhores foi a tour de Adios Amigos que teve uma overdose de tudo de bom que a banda tinha pra mostrar.

Só posso dizer que faz falta escutar “One, Two, Three, Four…….. antes do couro comer!!!!! (antes da pauleira começar/ antes do bicho pegar/ antes da panquadaria virar/ antes do Rock n’ roll fritar/ antes do punk rock detonar / antes dos Ramones começarem a tocar) .

Abraços

Andre Lubesi tem formação técnica em eletrônica e é musico da banda Zorak

 

Clique aqui e veja mais artigos de André Lubesi

Andre Lubesi

Andre Lubesi é musico, tecnólogo, blogueiro e criador do site rocklist

Deixe um comentário