Ivani de Araujo Medina

Patinete de Rolimã

Diminuir tamanho da fonte Aumentar tamanho da fonte Tamanho do texto Imprima esta página
Patinete de Rolimã

Patinete de Rolimã

Ivani Medina

Os melhores brinquedos e brincadeiras que vêm a lembança eram os inventados por nós, crianças. Quando não, tomávamos emprestado da memória das crianças de outrora, que havia em todas as casas. Nada contra o desenvolvimento da indústria de brinquedos, pelo contrário, novidades sempre foram bem-vindas.

A vida social infantil era mais intensa. Vivia-se mais na rua do que em casa, como atualmente. Uma existência informal extramuros ajudava muito o desenvolvimento e a criatividade no mundo próprio. Sempre havia um que era mais engenhoso e habilidoso e contava com a admiração e o relativo respeito dos demais. Afinal, era o responsável por inúmeras satisfações e alegrias de todos.

Um desses gênios era o “bigode de vaca”. Ganhou o apelido porque já exibia um buço bem desenvolvido para a pouca idade que tinha. “Bigode” era óbvio, “de vaca” nem tanto. Apelido precisa ser engraço e ter raízes em alguma maldade. Os mais safados diziam que era porque a cada dia ele se parecia mais com a mãe. Claro que não abertamente, pois não havia necessidade de ferir tão profundamente um amigo.

Pedíamos nas oficinas mecânicas rolamentos já sem serventia para automóveis, mas perfeitos para a nossa utilização. O italiano sempre nos fornecia alguns. Guardava-os numa lata de thiner cortada ao meio e sabíamos muito bem onde ele a deixava. Na sua ausência, podíamos informar ao funcionário e resolver o nosso problema sem perda de tempo.

Algumas tábuas de caixotes conseguidas no comércio e dobradiças de portão constituiam o corpo do patinete mais simples. Mas quem queria saber de simplicidade? Tinham pintura personalizada e um bom freio na roda trazeira. O do “Bigode” tinha até farol. Como era bom se divertir com o produto das próprias mãos e imaginação.

O máximo era descer pelas calçadas das ruas íngrimes, em quatro ou cinco, fazendo aquela zoeira ameaçadora aos passantes. Naqueles momentos todas as atenções se voltavam a nós. Os reis das calçadas, nós nos imaginávamos. Sabíamos que sempre havia alguém torcendo por um tombo espatacular e com muita choradeira, só por vingança. Tombo que nunca acontecia ou acidentes quaisquer com os azes das calçadas que éramos.

A pouca velocidade crescia na imaginação com o vento rosto. Tirar fino dos canteiros e as manobras ousadas preenchiam sentimentos desconhecidos. Riscando o cimento das calçadas traçavamos as primeiras linhas da nossa independência e vontade.

.

Ivani de Araujo Medina é um Homem com a percepção do descompasso existente entre a história e o favorecimento ideológico ao cristianismo.

.

Clique aqui e leia mais artigos de Ivani de Araujo Medina

.

.

Para você configurar seu avatar com sua foto, para que esta fique visível nos comentários, siga os três passos:

1. Vá até www.gravatar.com, clique em SIGN UP.

2. Adicione o e-mail que você utiliza em seus comentários aqui.

3. Complete o cadastro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Seu último artigo é