Deísmo X Teísmo

Duas visões que, respeitosamente, se contrapõem:

Deísmo

– Embora esta postura filosófica admita a existência de um Deus criador, tenha ele o nome que tiver, questiona profundamente a idéia da reveleção divina e apega-se à concepção da inteligência humana como mediadora para a compreensão do Ser Superior, rejeitando a necessidade de religiões.

Para o deísta, Deus se revela não pelas religiões, mas pela ciência e pelas leis da natureza. Também para ele é difícil aceitar a visão de um deus antropomórfico, sendo-lhe mais digerível a idéia de “um princípio vital”, “uma força criadora” ou a “energia motriz do universo”.
Voltaire (1694-1778) filósofo francês, foi um Deísta. Acreditava que para chegar a Deus não se precisa ir à igreja, mas à razão
Voltaire (1694-1778) filósofo francês, foi um Deísta. Acreditava que para chegar a Deus não se precisa ir à igreja, mas à razão

Galileu Galilei
Galileu Galilei
O deísmo teve origem com os filósofos gregos da antiguidade, ganhando muita relevância a partir do movimento iluminista, com o apoio, por exemplo, de Galileu Galilei, Isaac Newton e outros.
 Isaac Newton

Isaac Newton
Um grande expoente do deísmo, Edward Herbert, assim o definiu:
“Deus existe, e pode ser cultuado pelo arrependimento e por uma vida de tal modo digna, que a alma imortal possa receber a recompensa eterna em vez do castigo”.

 

Afirmações deístas:

  • 1- Admito uma existência divina, mas com características distinta de religiões.
  • 2- Corroboro que a “palavra” de Deus são as leis da natureza e do Universo, não os livros ditos “sagrados” escritos por homens em condições duvidosas.
  • 3- Uso apenas a razão para pensar na possibilidade de existência de outras dimensões, não aceitando doutrinas elaboradas por homens.
  • 4- Creio que se pode encontrar Deus mais facilmente fora do que dentro de alguma religião.
  • 5- Desfruto da liberdade de procurar uma espiritualidade que me satisfaça.
  • 6- Prefiro elaborar meus princípios e meus valores pessoais pelo raciocínio lógico, do que aceitar as imposições escritas em livros ditos “sagrados” ou autoridades religiosas.
  • 7- Sou um livre-pensador individual, cujas convicções não se formaram por força de uma tradição ou a “autoridade” de outros.
  • 8- Acredito que religião e Estado devem ser separados;
  • 9- Prefiro me considerar um ser racional, ao invés de religioso.
  • 10- O raciocínio lógico é o único método do qual podemos ter certeza sobre algo.
Thomas Paine, grande divulgador do deísmo nos Estados Unidos.
Thomas Paine, grande divulgador do deísmo nos Estados Unidos.

..

..

Teísmo

 
Teísmo  é um conceito filosófico-religioso desenvolvido para se compreender o Criador.
Esta linha filosófica entende que Deus é a única entidade responsável pela criação do Universo, onipotente e onisciente.
Esta expressão provém do grego Théos, com o significado de ‘deus’.

O Teísmo se contrapõe ao ateísmo, que não acredita na existência de uma divindade suprema.

A filosofia teísta foi disseminada em 1678, pelo filósofo e teólogo inglês Ralph Cudworth, integrante do movimento filosófico conhecido por Platonistas de Cambridge.
O Teísmo pode ser classificado em Monoteísmo – fé em um único Deus -; Politeísmo – devoção a diversas divindades – e Henoteísmo – quando se adora um Deus Superior, mas não se rejeita a existência de outros deuses.
Também pode ser dividido em:
Teísmo Cristão, que adota o monoteísmo e a crença em Deus como base primordial e transcendente do Cosmos; e
Monista, que vem do grego Monos, que tem o sentido de ‘um’, uma realidade una, tanto do ponto de vista metafísico, quanto no que se refere à analogia entre a psique e o organismo físico, contraposta à visão dualista e também ao conceito pluralista, ou seja, a uma realidade que se apóia na diversidade.
O Monismo está ligado à tradição filosófica ocidental dos pré-socráticos e filósofo mais importante desta escola é Spinoza, que afirma existir apenas algo a que ele denomina substância, da qual tudo deriva.
Este conceito está também associado a algumas práticas religiosas pagãs, como a tradicional e ancestral Wicca, que se vale desta idéia para justificar a criação do Universo por um único Ser, neste caso a Deusa-Mãe, já que eles acreditavam que apenas o feminino pode criar vida. Apenas algum tempo depois surgiria o culto a uma figura masculina, a de Deus.
Também se pode falar em Teísmo Aberto, uma prática teológica que retira de Deus suas principais características.
Seus seguidores defendem que o Criador não detém a completa ciência do futuro, o que Lhe permite modificar a todo instante suas idéias iniciais, conforme o desenrolar dos acontecimentos.
Charles Hartshorne
Charles Hartshorne

Este movimento provém da Teologia do Processo, nascida nos anos 30, da qual os principais ícones foram Charles Hartshorne, Alfred North Whitehead e John Cobb. É uma filosofia também conhecida como panenteísmo, a qual procura conjugar o teísmo e o panteísmo.

O Teísmo apareceu no século XVIII, em oposição aos movimentos conhecidos como ateísmo, deísmo e panteísmo. Ele fortalece a fé em um único Deus, Criador Supremo de tudo, transcendente, que se encontra constantemente ativo no mundo, nele intervindo quando necessário.
Os teístas igualmente crêem no poder da Razão, mas não rejeitam a revelação divina. Outro ramo conhecido do Teísmo é o agnóstico, que congrega aqueles que confessam não ser possível conhecer a Deus, mas mesmo assim acreditam ser possível ter fé no Criador, sem se preocupar com provas a seu respeito.
Do Teísmo também se desenvolve a Teologia, ciência que estuda Deus, no contexto de todas as religiões.
A admissão e crença na verdade revelada, por escrituras e outros meios, é a principal distinção entre o Teísmo e o Deísmo.
..
..
Texto cedido por  Truques & Trecos
Truques & Trecos é a união de Amigos Maçons com o intuito de propagar a verdade sobre a Maçonaria, o esoterismo e assuntos correlatos. São idealizadores e administradores do blog Truques & Trecos

Deixe um comentário