Memórias de Porto Alegre

Gilberto Vieira de Sousa

..

Esta coletânea é uma singela homenagem aos amigos Lino Tavares, Delmar Marques e Maria Marçal

Com uma das melhores qualidades de vida do Brasil, a Capital dos gaúchos foi fundada em 26 de março de 1772 como Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais.
Em 1774, começou a tomar forma do jeito que a conhecemos: foram inauguradas a Praça XV, a Praça da Alfândega e a da Matriz.
Em 1821, ganhou o status de cidade pelo imperador Dom Pedro II. Devido a sua expansão, no século XX, Porto Alegre destacou-se entre as demais cidades do Rio Grande do Sul e projetou-se no cenário nacional.
Hoje, abriga eventos, integra o pólo turístico do Estado e é modelo de administração para o país.

 A cidade de Porto Alegre tem como data oficial de fundação 26 de março de 1772, com a criação da Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais, um ano depois alterada para Nossa Senhora da Madre de Deus de Porto Alegre. O povoamento, contudo, começou em 1752, com a chegada de 60 casais portugueses açorianos trazidos por meio do Tratado de Madri para se instalarem nas Missões, região do Noroeste do Estado que estava sendo entregue ao governo português em troca da Colônia de Sacramento, nas margens do Rio da Prata. A demarcação dessas terras demorou e os açorianos permaneceram no então chamado Porto de Viamão, primeira denominação de Porto Alegre.
Em 24 de julho de 1773, Porto Alegre se tornou a capital da capitania, com a instalação oficial do governo de José Marcelino de Figueiredo. A partir de 1824, passou a receber imigrantes de todo o mundo, em particular alemães, italianos, espanhois, africanos, poloneses, judeus e libaneses. Este mosaico de múltiplas expressões, variadas faces e origens étnicas, religiosas e linguísticas, faz de Porto Alegre, hoje com quase 1,5 milhão de habitantes, uma cidade cosmopolita e multicultural, uma demonstração bem sucedida de diversidade e pluralidade.
Foi a ferro e fogo que Porto Alegre construiu a sua história. A capital do Rio Grande do Sul é também a capital dos Pampas, como é conhecida a região de fauna e flora características formada por extensas planices que dominam a paisagem do Sul do Brasil e parte da Argentina e do  Uruguai. É nessa região que nasceu o gaúcho, figura histórica, dotada de bravura e espírito guerreiro, resultado de lendárias batalhas e revoltas por disputas de fronteiras entre os Reinos de Portugal e Espanha, a partir do século XVI.
As revoltas se sucederam, mas foi o século XIX que marcou o seu povo, após uma longa guerra por independência contra o Império Português. A chamada Guerra dos Farrapos se iniciou com um enfrentamento ocorrido na própria capital, nas proximidades da atual ponte da Azenha, no dia 20 de setembro de 1835. Mesmo sufocado, foi este conflito que gravou na história o mito do gaúcho e é até hoje cantado em hino, comemorada em desfiles anuais e homenageada com nomes de ruas e parques.
Com o fim da Guerra dos Farrapos, a cidade retomou seu desenvolvimento e passa por uma forte reestruturação urbana nas últimas décadas do século XVIII, movida principalmente pelo rápido crescimento das atividades portuárias e dos estaleiros. O desenvolvimento foi contínuo ao longo do tempo e a cidade se manteve no centro dos acontecimentos culturais, políticos e sociais do país como terra de grandes escritores, intelectuais, artistas, políticos e acontecimentos que marcaram a história do Brasil.

 Prédio construído em 1772 - Porto Alegre

Prédio construído em 1772 – ainda existente e conservado ao lado do Palácio do Governo na Praça da Matriz. O segundo piso foi construído em 1860. Esta foto é de 1890.

Av. Salgado Filho (1930)

Av. Salgado Filho (1930),onde esta o caminhão e o trator hoje existe um viaduto. Ao fundo o Ed. Vera Cruz em construção na época.

Palácio do Comércio

Palácio do Comércio ao fundo e o “Mercado Livre” – demolido e hoje estação do metrô no sub solo.

Usina do Gasômetro e cais em 1969
Usina do Gasômetro e cais em 1969
Igreja antiga da paróquia matriz da IECLB
Igreja antiga da paróquia matriz da IECLB

Bonde

Bonde

1ª-Corrida-no-Cristal---1950

1ª Corrida no Cristal – 1950

A rua dos Andradas (Rua da Praia) no centro de Porto Alegre em 1930
A rua dos Andradas (Rua da Praia) no centro de Porto Alegre em 1930
Avenida Otávio Rocha - 1955
Avenida Otávio Rocha – 1955
Avenida João Pessoa e Parque Farroupilha (Redenção) - 1920
Avenida João Pessoa e Parque Farroupilha (Redenção) – 1920
Avenida 24 de Outubro no bairro Moinhos de Vento em abril de 1961
Avenida 24 de Outubro no bairro Moinhos de Vento em abril de 1961
Avenida Osvaldo Aranha na esquina com a rua José Bonifácio, no bairro Bom Fim, em 1930
Avenida Osvaldo Aranha na esquina com a rua José Bonifácio, no bairro Bom Fim, em 1930
Barcos na região do porto no centro de Porto Alegre - 1911
Barcos na região do porto no centro de Porto Alegre – 1911
Cais do porto 1950
Cais do porto 1950
Casa de Correção (entenda-se “presídio”) em 1930
Casa de Correção (entenda-se “presídio”) em 1930
Centro de Porto Alegre 1954
Centro de Porto Alegre 1954
Construção da Estação Rodoviária Central de Porto Alegre em 1969
Construção da Estação Rodoviária Central de Porto Alegre em 1969
Dirigível Zeppelin sobrevoando Porto Alegre em 26/06/1934
Dirigível Zeppelin sobrevoando Porto Alegre em 26/06/1934
enchente de abril de 1941 na região central de Porto Alegre
A famosa enchente de abril de 1941 na região central de Porto Alegre. Essa enchente foi o argumento para a construção do infame Muro da Mauá no final dos anos 60 e início dos anos 70, separando de vez a população do lago.
Esquina da rua dos Andradas (rua da Praia) com a rua Dr. Flores em março de 1961
Esquina da rua dos Andradas (rua da Praia) com a rua Dr. Flores em março de 1961
Esquina da Avenida Borges de Medeiros com rua Sete de Setembro no centro de Porto Alegre em novembro de 1937
Esquina da Avenida Borges de Medeiros com rua Sete de Setembro no centro de Porto Alegre em novembro de 1937
Fonte “A Samaritana”, na Praça Montevidéu, entre 1925
Fonte “A Samaritana”, na Praça Montevidéu, em 1925. Os dois prédios ao fundo são da Prefeitura de Porto Alegre e do Mercado Público, ambos ainda existentes. A fonte foi removida para a Praça da Alfândega onde se encontra até hoje.
Grande Hotel - 1929
Grande Hotel – 1929
Hipódromo do Cristal - 1959
Hipódromo do Cristal – 1959
Ilha da Pintada - 1888
Ilha da Pintada – 1888
O aterro do Lago Guaíba em outubro de 1959
O aterro do Lago Guaíba em outubro de 1959. Onde hoje estão as avenidas Edvaldo Pereira Paiva (avenida Beira-Rio) e a Borges de Medeiro. Nesse aterro também estão hoje o Parque Marinha do Brasil, o Shopping Praia de Belas, o Centro Administrativo do Estado do Rio Grande do Sul e prédios comerciais e de hotéis.
Parque Farroupilha (Redenção) em 1935
Parque Farroupilha (Redenção) em 1935
Ponte da avenida Getúlio Vargas em 1950
Ponte da avenida Getúlio Vargas em 1950
Pórtico de entrada da Exposição Farroupilha - 1935
Pórtico de entrada da Exposição Farroupilha – 1935
Porto - 1953
Porto – 1953
Porto Alegre 1978
Porto Alegre 1978
Praça da Alfândega em 1919
Praça da Alfândega em 1919
Praça da Alfândega em 1925
Praça da Alfândega em 1925
Praça da Alfândega - 1930
Praça da Alfândega – 1930
Praça da Alfândega - 1940
Praça da Alfândega – 1940
Praça da Matriz - 1920
Praça da Matriz – 1920
Praça da Matriz,1920
Praça da Matriz,1920
Praça Octavio Rocha, 29 de junho de 1934
Praça Octavio Rocha, 29 de junho de 1934
Praia da Pedra Redonda no lado Guaíba - 1900
Praia da Pedra Redonda no lado Guaíba – 1900
Prédio da Confeitaria Rocco, na esquina das ruas Dr. Flores e Riachuelo - 1945
Prédio da Confeitaria Rocco, na esquina das ruas Dr. Flores e Riachuelo – 1945
Prefeitura Municipal de Porto Alegre - 1930
Prefeitura Municipal de Porto Alegre – 1930
Quartel General - 1905
Quartel General – 1905
Residências na Praça da Matriz em 1919
Residências na Praça da Matriz em 1919
Rua 7 de setembro 1920
Rua 7 de setembro 1920
Rua 7 de Setembro em 1918
Rua 7 de Setembro em 1918
Rua dos Andradas (rua da Praia) - 1911
Rua dos Andradas (rua da Praia) – 1911
Rua dos Andradas (rua da Praia) em 1920
Rua dos Andradas (rua da Praia) em 1920
Rua Dr. Valle, no bairro Floresta, em 1930
Rua Dr. Valle, no bairro Floresta, em 1930
Rua Marechal Floriano Peixoto - 1911
Rua Marechal Floriano Peixoto – 1911
Rua Voluntários da Pátria em 1910
Rua Voluntários da Pátria em 1910
Rua Voluntários da Pátria em 1953
Rua Voluntários da Pátria em 1953
Travessia de balsa entre Guaíba e Porto Alegre - 1950
Travessia de balsa entre Guaíba e Porto Alegre – 1950
Viaduto Otavio Rocha - 1944
Viaduto Otavio Rocha – 1944
Avenida Borges de Medeiros sob o viaduto da Borges em setembro de 1960
Desfile promovido pela Legião Brasileira de Assistência na avenida Borges de Medeiros sob o viaduto da Borges em setembro de 1960
Desfile da semana da pátria em 06/09/1964 na Avenida Farrapos.
Desfile da Semana da Pátria em 06/09/1964 na Avenida Farrapos.
Construção do prédio da antiga CRT
Construção do prédio da antiga CRT (Companhia Rio-Grandense de Telecomunicações), hoje Brasil Telecom, na esquina das avenidas Borges de Medeiros e Salgado Filho em setembro de 1965.
Esquina da rua dos Andradas (rua da Praia) com a rua Dr. Flores em março de 1961
Esquina da rua dos Andradas (rua da Praia) com a rua Dr. Flores em março de 1961
Fotógrafos lambe-lambes na Praça Parobé em 1950
Fotógrafos lambe-lambes na Praça Parobé em 1950
Morro Santa Tereza em abril de 1961
Morro Santa Tereza em abril de 1961
Obra de canalização do arroio Dilúvio em 1950
Obra de canalização do arroio Dilúvio em 1950
Palácio Piratini em 1970
Visita do Presidente Emílio Garrastazu Médici ao Palácio Piratini em 20/10/1970. Notem ao lado do Palácio a Catedral Metropolitana de Porto Alegre ainda em fase de construção.
Rua dos Andradas (rua da Praia) em 1959
Manifestação de populares na rua dos Andradas (rua da Praia) no dia da posse de Leonel Brizola como governador do Rio Grande do Sul em 31/01/1959.
Rua dos Andradas (rua da Praia) em frente à Praça da Alfândega em 1960
Desfile comemorativo do feriado de 20 de Setembro na rua dos Andradas (rua da Praia) em frente à Praça da Alfândega em 20/09/1960.

 

Gilberto Vieira de Sousa
Gilberto Vieira de Sousa é Jornalista (MTB 0079103/SP), técnico em Sistemas de TV Digital, Fotografo Amador, Radioamador, idealizador e administrador do site GibaNet.com

10 Responses to "Memórias de Porto Alegre"

  1. Lino Tavares
    Lino Tavares   15/01/2013 at 03:00

    Pela parte que me toca, muito tenho que agradecer ao amigo Giba por essa homenagem, que me remete aos meus 20 e poucos anos, quando vivi minha “boa vida de playboy dos anos 60”, em quase todos os recantos daquela Porto Alegre bucólica, vista nessas belas e históricas fotografias. Isso não é para apenas ler e esquecer, mas sim para salvar em arquivo, por se tratar de mais uma relíquia colocada à disposição da posteridade pelo gênio empreendedor do cidadão Gilberto Sousa. Valeu !

    Responder
    • Gilberto
      Gilberto   15/01/2013 at 03:05

      Caro amigo Lino, se eu fosse o gênio empreendedor que você diz, eu já estaria tão rico e famoso quanto você.
      Obrigado por sua amizade valiosa.
      Um grande abraço

      Responder
  2. mariamarcal   15/01/2013 at 10:16

    Gilberto, ilustre e carissimo amigo
    Estava viajando, por esta razão sem internet na área, mas abrindo hoje meus e-mails fico emocionada de rever tanto sobre P. Alegre.
    Sou natural da cidade vizinha, Guaíba – do outro lado do rio, mas te confesso que amo esta Capital. Adoro tudo porque aprendi a viver aqui. Lembranças maravilhosas me trazem estas imagens, principalmente da travessia do Guaíba (barcas), quando pequena ainda cheguei a usar com meus pais.
    Como é gostoso relembrar…como é saudável constatar que as mudanças acontecem sempre e cada pessoa que no tempo ficou contribuiu para que gerações e gerações tenham a mesma emoção que me acometeu agora.
    Obrigada, Gilberto.
    Presentão aos gaúchos que guardarei como preciosidade.

    Maria Marçal – Porto Alegre – RS

    Responder
    • Gilberto
      Gilberto   15/01/2013 at 12:25

      Maria,
      Fico muito contente que tenha gostado, pois este sentimento que retratas é a confirmação de que valeu muito ter feito a publicação.
      Obrigado por sua amizade.

      Responder
  3. Lino Tavares
    Lino Tavares   15/01/2013 at 12:47

    Sem falar que aquela animosidade improcedente que dizem existir entre gaúchos e paulistas, por causa dos antagonismos da Era Vargas, que culminou com a Revolução Constitucionalista de 1932, não passa de um mito, até porque São Paulo e Rio Grande do Sul respondem juntos por, no mínimo, 60% da produção industrial e agropastoril deste pais, e, no futebol, detêm juntos a expressiva maioria dos títulos internacionais de clubes do Brasil.

    Responder
  4. Wilson Coelho   01/02/2013 at 00:52

    Caros Senhores
    Possuo uma Cigarreira de Prata Contendo o Aplique da Confeitaria Rocco e a Frase “Ricordo di Nicola Rocco”
    O aplique que representa o prédio da Confeitaria Rocco na cigarreira possui em suas fachadas a frase “Confeitaria Rocco”, somente observável com 10 x de aumento.
    Por dentro ela é banhada a ouro.
    Não observei nenhuma noticia sobre esta cigarreira.

    Responder
    • Gilberto
      Gilberto   01/02/2013 at 00:58

      Olá Wilson,
      Eu nunca ouvi falar deste tipo de cigarreira que você comentou.
      Você tem em suas mãos uma verdadeira preciosidade, que talvez tenha sido feita em quantidade limitada para presentear autoridades e/ou grandes empresários.
      Cuide bem desta relíquia.
      Grande abraço
      Giba

      Responder
  5. Delmar Antonio Marques de Souza
    Delmar Antonio Marques de Souza   23/07/2013 at 22:27

    É com grande saudade que tomo conhecimento das fotos histórica da bucólica Capital do Rio Grande o Sul. O que me chama atenção é que precisou um paulista no naipe do amigo Gilberto Sousa, que que se deu o trabalho de compilar todas essas fotos e publicar em seu blog Giba.net para que tomássemos conhecimento desse belo acervo.

    Examinado todas e cada uma das fotos vieram trazer à toda na minha mente, desde tenra idade, lembranças das mais significativas que tinham sido deletadas da minha memória!

    Em face disso, só resta-me agradecer ao Amigo Gilberto Souza, por esse ato de grandeza e dedicação e apreço por nossa Valorosa Porto Alegre!

    Responder
  6. william cunha pupe   17/09/2013 at 16:23

    Amigo Gilberto,estou em fase de revisão de um livro que trata de um tema especial,as “conexões e inter-relações” entre dois bairros da cidade de porto alegre.
    Encontrei duas imagens que me interessariam,inclusive para colocar no livro.
    como devo proceder,visto que já as vi em outros museus,caso venha a ter vossa autorização basta citar tua fonte,e se a imagem de vosso belíssimo site não tiver boa resolução,como devo agir,buscar uma imagem melhor no arquivo do museu?Enfim,peço vossa orientação para que não cometa algo,que venha a ter problema ao vosso trabalho.
    Para mim,como arquiteto e urbanista ,professor,pesquisador e escritor,é gratificante poder contar com fontes como a sua,pois dizem que,(…) “recordar é viver”,mas eu prefiro ainda dizer que,”recordar é reviver de fato”(PUPE,2013),é andar,circular,voar,por todos os lugares pelos quais ainda nos é possível,graças aos que preservam estas imagens,ou livros,para que possamos resgatar,algo de valor inestimável.

    Responder
    • Gilberto
      Gilberto   17/09/2013 at 20:17

      William, lhe respondi por e-mail, fico no aguardo de seu retorno.
      Grande abraço

      Responder

Deixe um comentário