Suicídio eleitoral

Lino Tavares

.
     Se a senadora Ana Amélia Lemos era do tipo “sou dessas mulheres que só dizem sim”, a ponto de não resistir a “cantada” tucana para compor a chapa de Geraldo Alckmin como candidata a vice-presidente da República, jamais deveria ter abraçado com tanta ênfase a defesa da Lava Jato, do juiz Sérgio Moro e de tudo que envolve essa guerra contra ladrões do erário.
.
Descanse em paz, Ana Amélia Lemos, pois você acaba de cometer suicídio eleitoral
.
Depois de passar a ideia de possuir um perfil anti corrupção muito próximo ao de Janaína Paschoal, Ana Amélia Lemos se curvou ao oportunismo e revelou uma faceta muito semelhante à desses líderes políticos de aluguel, que vendem seu apoio a quem pagar mais.
     Por outro lado, não teve a visão política que se imaginava ter ao não se dar conta de que dificilmente Geraldo Alckmin vencerá essa eleição, considerando a lama em que se acha envolvido seu partido, mantendo em seus quadros líderes como Eduardo Azeredo e principalmente Aécio Neves, cuja prisão é clamada intensamente nas redes sociais, atolados até o pescoço em denúncias de corrupção. “Descanse em paz, Ana Amélia Lemos, pois você acaba de cometer suicídio eleitoral”. (jornalista)
Lino Tavares

Lino Tavares é jornalista diplomado, colunista na mídia gaúcha e catarinense, integrante da equipe de comentaristas do Portal Terceiro Tempo da Rede Bandeirantes de Televisão, além de poeta e compositor

3 resposta para "Suicídio eleitoral"

  1. Gilberto Vieira de Sousa
    Gilberto Vieira de Sousa   03/08/2018 em 18:06

    Ana Amélia votou a favor da nova lei de imigração
    Do Tucano Aloysio Nunes
    que mata nossa soberania.
    Não foi decepção, foi confirmação

    Responder
  2. Lino Tavares
    Lino Tavares   03/08/2018 em 19:24

    É, Gilberto, santa ela não era, mas aqui no Sul gozava de muito prestígio por combater a corrupção com muita tenacidade. Esperava-se que ela fosse concorrer ao senado pelo PP, apoiando a candidatura de Jair Bonsonaro, que foi seu antigo companheiro de partido. Ela não era de dar refresco para a esquerda, mas a vaidade subiu à cabeça e ela aceitou o concorrer a vice do Alckmin para dimensionar seu projeto de concorrer a presidente em 2022. No fundo ela sabe que Alckmin não tem chance de vencer essa eleição, nem pelo voto nem pela fraude eleitoral, que se houver não será a favor dele.

    Responder
    • Gilberto Vieira de Sousa
      Gilberto Vieira de Sousa   03/08/2018 em 19:28

      Aqui no sudeste ela gozava do mesmo prestígio e a imagem que fica é a de que ela se vendeu à esquerda. Azar o dela, destruiu a chance de ser eleita em 2022.

      Responder

Deixe um comentário