E o ciclo da mentira chegou ao fim

Lino Tavares

.
    O que assistimos no domingo (28/10) não foi a vitória de um candidato sobre outro. Bem mais do que isso, foi a derrocada de um ciclo vicioso que havia usado a redemocratização do Brasil para uma escalada de poder e desmandos nunca vista na história republicana do Brasil. Enquanto no chamado  “Regime Militar” nosso país experimentou um crescimento de 50 anos em 5, na era da chamada “democracia plena”, com eleições diretas para presidente, a nação brasileira andou na marcha ré, com ascensão ao poder de pessoas comprometidas tão somente com seus engajamentos politiqueiros e ideológicos, relegando ao plano secundário os altos interesses nacionais voltados ao bem estar da população.
.
.
     Consciente de que todos esses anos de imobilismo no campo social, econômico e infraestrutural, que levou o Brasil à essa situação caótica em que se encontra,  tinha como responsáveis direitas as duas forças políticas que se revezaram nesses anos de politicagem, corrupção e inércia governamental, representadas pelo PSDB e o PT, o povo se mobilizou, usando a interatividade proporcionada pelas redes sociais, e foi à procura de  uma terceira via de poder que não tivesse vínculo de qualquer natureza com as correntes políticas tradicionais e, por sua trajetória limpa, reunisse os pressupostos desejáveis à realização de um governo  essencialmente voltado ao desenvolvimento nacional.
     Encontrou em Jair Bolsonaro o Messias (vale o trocadilho) de que precisava para operar o milagre de fazer essa nação arrasada ressurgir das cinzas, como a fênix, devolvendo a seu povo sofrido a dignidade perdida, sob todos os aspectos, nessas três décadas de inoperância governamental e corrupção galopante. A vitória de Bolsonaro, portanto, foi um NÃO a tudo quanto de ruim aflorou na era PSDB e se aperfeiçoou na era PT, como o  Mensalão, o Petrolão, o propinoduto e todas as formas de desvio do dinheiro público, empregado em larga escala para sustentar projetos de perpetuação no poder e oferecer ajuda financeira a governos ditatoriais ideologicamente alinhados com a velha esquerda que de longa data tenta implantar em nosso país uma espécie de “ditadura do proletariado”.
     Que não se tribute, portanto, essa mudança radical em nosso status quo de poder, única e exclusivamente à pessoa do novo presidente eleito. Nela estão contidas manifestações de apoio ao juiz Sérgio Moro e à Operação Lava Jato, bem como a todas as decisões voltadas a punir severamente os agentes da corrupção, entre as quais se inclui a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se fez representar nesse pleito por seu ex-ministro da Educação, mentor da polêmica ideologia de gênero nas escolas, além de ex-prefeito fracassado e não reeleito na cidade de São Paulo.
    Sem dúvida foi uma vitória maiúscula da informação verdadeira encontrada com a utilização massiva das redes sociais sobre a desinformação manipulada pela mídia mercenária, que destorce fatos em troca de favorecimentos inconfessáveis. Quem diria. O povo elegeu para seu presidente alguém como Jair Bolsonaro, que sempre defendeu o papel patriótico e progressista do “Regime Militar”, como se fosse ele um candidato da antiga ARENA (Aliança Renovadora Nacional), derrotando nas urnas o velho MDB, do bipartidarismo das décadas de 60 e 70.
Lino Tavares

Lino Tavares é jornalista diplomado, colunista na mídia gaúcha e catarinense, integrante da equipe de comentaristas do Portal Terceiro Tempo da Rede Bandeirantes de Televisão, além de poeta e compositor

Deixe um comentário