A Arte de Despir-se - Gibanet.com

Para alguns parece simples.

Põe-se e tira a roupa sem precisar de penumbras e o abajur apenas serve como figurante …não atua no papel principal.

À luz do amor muitos não tem vergonha de seu corpo e isto acontece quando o sentimento que une esses amantes destrói mitos e não apalpa sonhos.

A arte de despir-se sem pudores somente acontece nas relações que se pretendem duradouras, quando cada um se aceita com suas imperfeições naturais.

É o momento em que não existem comparações nem fascínios por outros moldes de paixão.

Talvez até mais significativo ainda seja para aqueles que trincam, tendo a graça do retorno… da conversa que reata.

Tirar a roupa na hora de amar se deleita na Primeira Classe da Vida, por isso nada é banal…

Aos mais velhos que é dada a possibilidade de se apaixonar duas, três ou mais vezes essa conduta chega destemida porque, como homens e mulheres maduros, há muito descobriram que o verdadeiro amor se emoldura na serenidade da compreensão, na chama lenta e prazerosa do prazer e não no ato de se mostrarem nus.

A Arte de Despir-se
A Arte de Despir-se

Na intimidade de quem encontra o amor a arte de despir encanta por abrir passagem…apenas isso.

Voltes…venhas…fiques… a cada dia!

Um pequeno-grande segredo que se perde nos lençóis e perfumes de apaixonados que sabem amar…

Maria Marçal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.