Nossa Desfocada Segurança Pública - Gibanet.com

Lino Tavares

Quem viveu durante o governo sério, honesto e progressista impropriamente chamado de “Ditadura Militar” (?), se vê na contingência de admitir – mesmo que seja do tipo “Maria com as outras” –  que a qualidade de vida no Brasil caiu muito daquele período de governo para cá. Para comprovar isso, nem é preciso entrar em itens como saúde, educação, transportes  e outros que hoje agonizam no rastejante governo que temos. Basta focar a questão Segurança Pública, onde o crime organizado ganha de goleada da polícia, para perceber que as tais eleições diretas, que deveriam ser um avanço no plano eleitoral, acabaram se constituindo numa porteira aberta para a entrada no poder de criminosos comuns e antigos traidores pátrios, para lá conduzidos sob o beneplácito de uma Justiça Eleitoral literalmente cega e um universo de eleitores facilmente manipulável com promessas vãs e esmolas sociais pagas com o dinheiro arrecado na maior ladroeira tributária de que se tem notícia nos cinco séculos e pouco de história do Brasil.

ESCADA

Agora que a mídia orquestrada e os hipócritas de plantão bradam aos quatro ventos que vivemos a plenitude democrática, deparamo-nos com exageros legais que atropelam a cidadania naquilo que ela tem de mais significativo como beneficiária do estado de direito: a Constituição do país. Nada é mais sintomático, em relação a isso, do que a obrigatoriedade do cinto de segurança por parte dos condutores de veículos,  hoje  tratados como delinquentes do volante, em potencial,  haja vista que, mesmo denotando sobriedade plena na condução do veículo, são obrigados – ao arrepio do direito constitucional de não produzir provas contra si mesmo – a se submeterem ao ‘teste do bafômetro’, Ainda sobre  a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança pelo condutor do veículo, cujo zelo pela própria vida é uma opção sua, haja vista que nem a tentativa de suicídio é capitulada como crime, trata-se de um hipocrisia legal, que começou no trânsito de São Paulo, na gestão Paulo Maluf, quem sabe até fruto de alguma maracutaia desse corrupto contumaz, que já esteve na cadeia por desvio de dinheiro público para paraísos fiscais.

     Por outro lado,  esses governos fracos que temos hoje no país –  eles sim embriagados pela sede de poder – fingem não ver a total falta de segurança em locais de diversões públicas, onde existem formas de recreação e lazer que são um atentado à saúde e à segurança de seus usuários.

   Visitando a Cascata do Caracol, em Canela, na Serra gaúcha,  fiquei sem entender como pode aquela escadaria metálica de quase 800 degraus, que dá acesso ao pé da cachoeira (foto), não possuir nas proximidades a  presença de uma equipe de paramédicos para prestar os primeiros socorros a alguém que porventura venha a sofrer uma parada cardíaca em função do exaustivo esforço feito na trajetória de ida e volta do cansativo passeio. Onde estão as autoridades da área de segurança pública – Corpo de Bombeiros, etc – que não veem que aquele passeio turístico de alto risco  precisa contar com um meio de acesso emergencial (um elevador paralelo) para a prestação de socorro a pessoas que venham a passar mal lá no fundo do abismo ?.

    Outra coisa para a qual, de longa data, não encontro explicação diz respeito à não exigência de dispositivos de seguranças nas janelas de edifícios consideradas de fácil acesso a crianças que mal começaram a caminhar. É comum verem-se, em andares altos, janelas de apartamentos localizadas a menos de um metro do piso, inclusive em quartos de crianças, sem que exista, pelo lado de fora sequer uma pequena marquise capaz de evitar a queda de alguém que, acidentalmente ou por imprudência, venha a cair numa dessas armadilhas arquitetônicas.

Veja o vídeo a seguir e  pense na colocação que acabo de fazer aqui !

Controle a emoção:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.