Máquina Sublime - Gibanet.com

Você alguma vez já parou para pensar que o cérebro é máquina sublime onde alguns pesquisadores, religiosos e cientistas ainda não obtiveram êxito quanto à compreensão exata do seu mecanismo em suas cadeias eletromagnéticas que plasma o pensamento como corpo sutil alimentado por nós?

Claro, que, para sondar-lhe seus domínios teremos que ter conquistado certos conhecimentos da espiritualidade, sem que, com isso, se retrate a verdadeira aquisição de entendimento à luz dos fatos na autonomia raciocinada.

            Diante do assunto, vejamos o que o Assistente Calderaro explica a André Luiz, relatado no livro: “No Mundo Maior”, na mediunidade de Chico Xavier: “Em renascendo entre as formas perecíveis, nosso corpo sutil – o perispírito – (…) submete-se, no plano da Crosta, às leis de recapitulação, hereditariedade e desenvolvimento fisiológico, em conformidade com o mérito ou demérito que trazemos e com a missão ou o aprendizado necessários”.

            Recapitular ações ocorridas no pretérito não precisa de ciganas a lerem nossas mãos ou de videntes que procuram sanar algumas contrariedades sem o êxito desejado. A própria vivência do espírito reencarnado ditará normas de conhecimento, de respaldo, de correção apenas necessitando, esse espírito, de auscultar melhor a sua consciência.

Máquina Sublime - Claro, que, para sondar-lhe seus domínios teremos que ter conquistado certos conhecimentos da espiritualidade, sem que, com isso, se retrate a

            A hereditariedade desse espírito, por sua vez, terá como registro mnemônico os sentimentos dos pais referente às circunstâncias de vulto na presente existência. Claro, que, o meio irá influenciar e muito na moralidade dos espíritos, fazendo com que esses, se englobem ou repulsem a certas contingências em que venha se preparar para a vida de aprendizado na Terra.

            O desenvolvimento fisiológico será dinâmico embora traga consigo todas as pendências morais a que venham a ser corrigidas, conquistando assim aquelas outras, virtudes, para o seu engrandecimento na convivência com o próximo.

            Agora cabe fazer para acontecer. O mérito ou demérito dependerá em exclusivo do que se pretende realizar nessa vida de espinhos na caminhada de todo espírito em estágio de adaptação com as Lei Augustas de Deus.

            O aprendizado será sempre um sustentáculo para que não venhamos a tropeçar e a cair por mais algumas vezes. Creio que quando caímos pela primeira vez é experiência ímpar para que no futuro não venhamos a cair nos mesmos erros ou até mesmo em outros, novos, em nosso encalço, retardando assim a jornada rumo ao encontro de nós mesmos. Comigo, Leitor Amigo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.