Kabbalah

A Cabala

Cabala (também KabbalahQabbalacabbalacabbalahkabalakabalahkabbala) é a investigação da natureza divina. A palavra (QBLH) tem o significado de recepção em hebraico e a filosofia conteria as chaves para os segredos do universo e para os mistérios do coração e da alma humana, explicando os universos material e imaterial e as naturezas física e metafísica da humanidade.
A Kabbalah mostra em detalhes como navegar por este vasto campo, a fim de eliminar toda forma de caos, dor e sofrimento.
Durante milhares de anos, os grandes sábios cabalistas têm buscado ensinar que cada ser humano nasce com o potencial para ser grande e que a Kabbalah é o meio para ativar este potencial.
A Kabbalah sempre teve a intenção de ser usada, e não somente estudada. Seu propósito é trazer clareza, compreensão e liberdade para nossas vidas.

 

Origem

Formas antigas de misticismo judaico consistiam inicialmente de doutrina empírica. Mais tarde, sob a influência da filosofia neoplatônica e neopitagórica, assumiu um carácter especulativo. Na era medieval desenvolveu-se bastante com o surgimento do texto místico, Sefer Yetzirah, ou Sheper Bahir que significa Livro da Luz, do qual há menção antes do século XIII. Porém o mais antigo monumento literário sobre a Cabala é o Livro da Formação (Sepher Yetsirah), considerado anterior ao século VI, onde se defende a ideia de que o mundo é a emanação de Deus
Transformou-se em objeto de estudo sistemático do eleito, chamado o “baale ha-kabbalah” ( “possuidores ou mestres da Cabala”). Os estudantes da Cabala tornaram-se mais tarde conhecidos como maskilim (“o iniciado”). Do décimo terceiro século em diante ramificou-se em uma literatura extensiva, ao lado e frequentemente na oposição ao Talmud.
Grande parte das formas de Cabala ensinam que cada letra, palavra, número, e acento da Escritura contêm um sentido escondido e ensina os métodos de interpretação para verificar esses significados ocultos.
Alguns historiadores de religião afirmam que devemos limitar o uso do termo Cabala apenas ao sistema místico e religioso que apareceu depois do século XII e usam outros termos para referir-se aos sistemas esotéricos-místicos judeus de antes do século XII. Outros estudiosos veem esta distinção como sendo arbitrária. Neste ponto de vista, a Cabala do pós século XII é vista como a fase seguinte numa linha contínua de desenvolvimento que surgiram dos mesmos elementos e raízes. Desta forma, estes estudiosos sentem que é apropriado o uso do termo Cabala para referir-se ao misticismo judeu desde o primeiro século da Era Comum. O Judaísmo ortodoxo discorda de ambas as escolas filosóficas, assim como rejeita a ideia de que a Cabala causou mudanças ou desenvolvimento histórico significativo.
Lazar Gulkowitsch
Desde o final do século XIX, com o crescimento do estudo da cultura dos Judeus, a Cabala também tem sido estudada como um elevado sistema racional de compreensão do mundo, mais que um sistema místico. Um pioneiro desta abordagem foi Lazar Gulkowitsch.

Ensinamentos básicos da Kabbalah

A Kabbalah ensina que, para podermos reclamar as dádivas para as quais fomos criados para obter, temos que merecê-las. Nós as merecemos quando nos envolvemos com nosso trabalho imaterial – o processo de transformação interior.
A Kabbalah nos fornece ferramentas para providenciar as mudanças pessoais necessárias, quando nos auxilia a reconhecer as fontes de negatividade que possuímos.
Para a Kabbalah todo ser humano é uma obra que ainda não está pronta e que qualquer desequilíbrio em nossas vidas é indicador do quanto ainda temos a percorrer para terminar o trabalho que nos trouxe a esta existência.
Sucintamente, este trabalho consiste na libertação do ego humano e na criação de uma proximidade com Deus.
Desapego da raiva, da inveja e outros comportamentos reativos em favor da paciência, empatia e compaixão, mas manter as relações humanas, é a essência desta transformação.

 

Estudo da cabala

Rav Kook
Rav Kook
Rav Kook
Para Rav Kook – Cabalista do século XX e Rabino em Israel –”Qualquer um que queira” pode estudar Cabala, porém, no judaísmo ortodoxo, é permitido o estudo da Cabala apenas aos homens, maiores de quarenta anos de idade, casados e com uma vida “devota” à Torah.
O Rabino Avraham Itzchak Hacohen Kook (1865-1935) foi o primeiro rabino chefe ashkenazi de Israel durante o Mandato Britânico da Palestina, fundador da Yeshivá religiosa e sionista Merkaz Harav, pensador judeu, halachista, cabalista e um afamado estudioso da Torá. Ele é conhecido em hebraico pela sigla HaRaAYaH ou simplesmente como “HaRav” (o rabino). Ele foi um dos rabinos mais famosos e influentes do século XX.
Os dias em que a Cabala era um segredo acabaram e sua sabedoria manteve-se oculta no passado porque os Cabalistas temiam que ela fosse mal aplicada e mal entendida.

Principais textos cabalistas

A Cabala não trata de algo abstrato, mas de todos nós e de nossa relação com a criação e o Criador. Fala da forma como somos criados e como nós funcionamos em níveis mais elevados de existência.
O primeiro livro na Cabala a ser escrito, existente ainda hoje, é o Sefer Yetzirah (“Livro da criação”), escrito por Abraão, o pai das chamadas religiões abraâmicas, ou “religiões do livro”, que são as três grandes religiões monoteístas: Judaísmo, cristianismo e islamismo.
Os primeiros comentários sobre este pequeno livro foram escritos durante o século X, e o texto em si é citado desde o século VI. Sua origem histórica não é clara. Como muitos textos místicos Judeus, o Sefer Yetzirah foi escrito de uma maneira que pode parecer insignificante para aqueles que o leem sem um conhecimento maior sobre o Tanakh (Bíblia Judaica ,equivalente ao Antigo Testamento) e o Midrash.
Outra obra muito importante dentro da cabala é o Bahir (“iluminação”), também conhecido como “O Midrash do Rabino Nehuniah ben haKana”. Com aproximadamente 12.000 palavras. Publicado pela primeira vez em 1176 em Provença, muitos judeus ortodoxos acreditam que o autor foi o Rabino Nehuniah ben haKana, um sábio Talmúdico do século I. Historiadores mostraram que o livro aparentemente foi escrito não muito antes de ter sido publicado.
O trabalho mais importante da cabala é o Zohar (“Esplendor”). Trata-se de um comentário esotérico e místico sobre o Torah (Referente ao Pentateuco do Antigo Testamento), escrito em aramaico. A tradição ortodoxa judaica afirma que foi escrito pelo Rabino Shimon ben Yohai durante o século II. No século XII, um judeu espanhol chamado Moshe de Leon declarou ter descoberto o texto do Zohar. O texto foi então publicado e distribuído por todo o mundo judeu. Gerschom Scholem, que foi um célebre historiador e estudante da Cabala, mostrou que o próprio de Leon teria sido o autor do Zohar. Entre suas provas, uma é que o texto utiliza gramática e estruturas frasais da língua espanhola do século XII; outra é que o autor não tinha um conhecimento exato de Israel. O Zohar contém e elabora sobre muito do material encontrado no Sefer Yetzirah e no Sefer Bahir, e sem dúvida é a obra cabalística por excelência.
Após o Zohar, temos os escritos de Ari, um renomado cabalista do século XVI.
O século XX, por sua vez, viu o surgimento dos trabalhos do cabalista Yehuda Ashlag.
Yehuda Ashlag
Os textos do Ashlag são os mais adequados para a nossa geração. Eles, assim como outras fontes cabalísticas, descrevem a estrutura dos mundos superiores, como ela descende e como o nosso universo, com tudo o que possui, veio a existir.

Ensinamentos cabalísticos – a alma humana

O Zohar propõe que a alma humana possui três elementos, o nefesh, ru’ach, e neshamah.
O nefesh é encontrado em todos os humanos e entra no corpo físico durante o nascimento. É a fonte da natureza física e psicológica do indivíduo.
As próximas duas partes da alma não são implantadas durante o nascimento, mas são criadas lentamente com o passar do tempo dependendo seu desenvolvimento das ações e crenças do indivíduo. É dito que elas só existem por completo em pessoas espiritualmente despertas.
Uma forma comum de explicar as três partes da alma é como mostrado a seguir:
Nefesh – Ruach – Neshamah
  • Nefesh – A parte inferior ou animal da alma. Está associada aos instintos e desejos corporais.

  • Ruach – A alma mediana, o espírito. Ela contém as virtudes morais e a habilidade de distinguir o bem e o mal.

  • Neshamah – A alma superior, ou super-alma. Essa separa o homem de todas as outras formas de vida. Está relacionada ao intelecto, e permite ao homem aproveitar e se beneficiar da pós-vida. Essa parte da alma é fornecida tanto para judeus quanto para não-judeus no nascimento. Ela permite ao indivíduo ter alguma consciência da existência e presença de Deus.

Raaya Meheimna, uma adição posterior ao Zohar por um autor desconhecido, sugere que haja mais duas partes da alma, a chayyah e a yehidah. Gershom Scholem escreve que essas “eram consideradas como representantes dos níveis mais elevados de percepção intuitiva, e estar ao alcance somente de alguns poucos escolhidos”.

Chayyah – Yehidah
  • Chayyah – A parte da alma que permite ao homem a percepção da divina força.

  • Yehidah – O mais alto nível da alma, pelo qual o homem pode atingir a união máxima com Deus.

Antiguidade do misticismo esotérico

De acordo com a compreensão tradicional, Kabbalah data do Éden. Ela veio de um passado remoto como uma revelação para eleger os Tzadikim (pessoas justas) e, na maior parte, foi preservada somente para poucos privilegiados.
Josephus
Literatura Apocalíptica pertence aos séculos II e I do pré-Cristianismo contendo alguns elementos da futura Kabbalah e, segundo Josephus, tais escritos estavam em poder dos Essênios, e eram cuidadosamente guardados por eles para evitar sua perda, o qual eles alegavam ser uma antiguidade valiosa.
Estes muitos livros contém tradições secretas mantidas ocultas pelos “iluminados” como declarado em IV Esdras XIV. 45-46, onde Pseudo-Ezra é chamado a publicar os vinte e quatro livros canônicos abertamente, de modo a que merecedores e não merecedores pudessem igualmente ler, mas mantendo sessenta outros livros ocultos de forma a “fornece-los apenas àqueles que são sábios” (compare Dan. XII. 10); pois para eles, estes são a primavera do entendimento, a fonte da sabedoria, e a corrente do conhecimento.
Instrutivo ao estudo do desenvolvimento da Cabala é o Livro dos Jubilados, escrito no reinado do Rei João Hircano, o qual refere a escritos de Jared, Cainan, e Noé, e apresenta Abraão como o renovador, e Levi como o guardião permanente destes escritos antigos. Ele oferece uma cosmogênese baseada nas vinte e duas letras do alfabeto hebraico, e conectada com a cronologia judaica e a messianologia, enquanto ao mesmo tempo insiste na Heptade como número sagrado ao invés do sistema decádico adotado por Haggadistas posteriores e pelo “Sefer Yetzirah”.

A ideia Pitagórica do poder criador de números e letras, sobre o qual o “Sefer Yetzirah” está fundamentado, era conhecido no tempo da Mishnah (antes de 200DC).

Zoroastrismo
Zoroastrismo

A dualidade cabalística

Embora Kabbalah apresentar a Unidade de Deus, uma das críticas mais graves e persistentes é que pode levar para longe o monoteísmo, em vez disso promover o dualismo.
Em seus textos há a crença de uma contraparte sobrenatural de Deus.
Zoroastrismo
O sistema dualista afirma que existe um poder do bem contra um poder maligno. Existem dois modelos principais de gnóstico-cosmologia dualista: a primeira, que remonta ao Zoroastrismo, acredita que a criação é ontologicamente dividida entre as forças do bem e do mal. A segunda, encontrada em grande parte greco-romana como ideologias Neo-platonismo, acredita que o universo conhecia uma harmonia primordial, o uno, mas que uma perturbação cósmica resultou um segundo, o mal, a dimensão da realidade. Este segundo modelo influenciou a cosmologia da Cabala.
Os 10 sefirot
De acordo com a cosmologia cabalista, as dez sefirot correspondem a dez níveis de criação. Estes níveis da criação não devem ser entendidos como dez diferentes “deuses”, mas como dez maneiras diferentes de revelar Deus, um por nível. Não é Deus que muda, mas a capacidade de perceber Deus que muda
Enquanto Deus pode parecer a apresentar natureza dupla (masculino/feminino, compassivo/julgador, criador/destruidor), todos os seguidores da Cabala têm consistentemente salientado a unidade absoluta de Deus.
Por exemplo, em todas as discussões de macho e fêmea, a natureza oculta de Deus existe acima de tudo, sem limite, sendo chamado o infinito ou a “No End” (Ein Sof) Nem um nem o outro, que transcende qualquer definição. A habilidade de Deus para tornar-se escondido da percepção é chamada de “Restrição” (Tzimtzum). O ocultamento torna a criação possível porque Deus pode ser “revelado” em uma diversidade de formas limitadas, que então forma os blocos de criação.
Trabalhos posteriores cabalísticos, incluindo o Zohar, parecem mais fortemente afirmar dualismo. Eles atribuem todos os males de uma força sobrenatural, conhecido como o Achra Sitra (o “outro lado”) que emana de Deus.
A “esquerda” da emanação divina é um reflexo negativo do lado de “santidade”, com que foi bloqueado em combate. [Encyclopaedia Judaica, Volume 6, “Dualismo”, p. 244]. Embora neste aspecto o mal exista dentro da estrutura divina do Sefirot, a Zohar indica que o Ahra Sitra não tem poder sobre Ein Sof, e só existe como um aspecto necessário da criação de Deus para dar ao homem o livre arbítrio, e que o mal é a consequência dessa escolha.
Não é uma força sobrenatural em oposição a Deus, mas um reflexo da luta interna moral dentro de humanidade entre os ditames da moralidade e da renúncia de instintos básicos.

Árvore da vida

A árvore da vida cabalística é formada por dez “emanações Daquele que não pode ser concebido”, denominados “sefirot”.

Mencionaremos cada qual vistos da parte superior das figuras para a inferior:
Os três primeiros compõem o denominado Atziluth, ou o “mundo das emanações”. São eles: Kether (coroa), Chokmah (sabedoria) e Binah (entendimento).
Os três “sefirot” seguintes combinados, formam o “mundo das criações” (Beriah). São eles: Chesed (misericórdia), Geburah (julgamento) e Tipareth (beleza).
Os quatro mundos
O “mundo das formações” (Yetzirah) é composto por outros três “sefirot”, sendo eles Netzach (vitória), Hod (esplendor) e Yesod (fundamento).
O último “sefirot” forma o também último dos mundos, o “mundo das ações”, Asiyah.
Assim teria ocorrido a formação do universo, partindo do princípio (Kether), até alcançar a criação manifestada em Malkut.
O caminho para o retorno da criatura ao Criador passa obrigatoriamente pelos “sefirot”, sendo possível trilhar qualquer dos 22 caminhos visíveis na ilustração.
.
Texto de  Truques & Trecos

Truques & Trecos é a união de Amigos Maçons com o intuito de propagar a verdade sobre a Maçonaria, o esoterismo e assuntos correlatos. São idealizadores e administradores do blog Truques & Trecos

9 resposta para "Kabbalah"

  1. olair rafael da silva jr   14/03/2014 em 13:38

    muito me interessa obter a imagem da árvore da vida — a última desta página — com maior amplitude para imprimir… e começar a estudar … imagina quão melhor se eu a obtivesse em português ((ou espanhol))


    braços

    Gratíssimo.’.

    olair rafael seeemmpre melhorrr… ando.’.
    sol.med.br/nutricional.html

    Responder
    • Gilberto
      Gilberto   14/03/2014 em 14:22

      Olá Olair,
      As imagens que tenho em português eu lhe enviei por e-mail.
      Grande abraço e bons estudos

      Responder
  2. maria suzana costa galvão   02/10/2015 em 08:38

    Olá Gilberto,
    Ficaria muito feliz se pudesse enviar para mim também estas imagens e quaisquer outros materiais que você tenha em português e que a gente possa compartilhar…
    Grande abraço fraterno.

    Responder
  3. Edu   01/01/2018 em 09:21

    Olá Feliz Ano Novo. Se possivel por gentileza gostaria de ter as imagens deste artigo por email também. Grato

    Responder
    • Gilberto Vieira de Sousa
      Gilberto Vieira de Sousa   03/01/2018 em 19:10

      Olá Edu,
      Feliz 2018 para você e família.
      Já enviei o e-mail com o artigo completo, incluindo as imagens.
      Grande abraço

      Responder
  4. Jorge Vieira Junior   22/01/2018 em 23:00

    Olá!
    Muito interessante esse artigo!
    Gostaria, se possível, recebê-lo por e-mail!
    Obrigado!!!

    Responder
  5. Leonardo   06/02/2018 em 10:32

    Mano, se puder me enviar, também fico grato!
    T:.F:.A:.

    Responder
  6. Franklin   02/03/2018 em 16:03

    Gostaria de receber também se possível.obrigado

    Responder

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.